O Sorvete


Colorido, gostoso
este meu sorvete!
Seguro a casquinha
e bebo a doçura
que desce de leve
para dentro de mim.

Meu estômago está alegre
como meu coração:
— dois lindos morangos.

Mensagens Relacionadas

Desejo: algo que enlouquece, que faz perder o juízo e a pureza, que estremece o corpo e arrepia a alma.

Vontade de fugir, de correr na chuva e brincar com a espuma do mar; vontade de matar aula, de tomar sorvete com batatinha, de assistir filme em casa, deitado no chão e dividindo o travesseiro.

Desejo: sentimento insano sem nenhuma racionalidade, simplesmente desejo, pele arrepiada, boca cheia dágua, cheiro de carícia.

Desejo: pureza, doçura, romantismo, buquê de flores no meio da tarde, telegrama em pleno sábado dizendo te amo, passeio de biquíni no campo ou piquenique no meio da praia, regras diferentes, moda criativa.

Desejo: mistura maluca de corpo, de mente, de alma, mistura fascinante do certo com o errado, do belo com o feio, do doce com o amargo.

Desejo: vontade de ter você pra qualquer coisa, pra passar o dia vivendo emoções ou simplesmente para ficar fazendo nada.

Desejo: vontade de viver a tua vida e de te deixar viver a minha, intensamente, inteiramente, eternamente.

Tem gente que tem cheiro de passarinho quando canta.
De sol quando acorda ....de flor quando ri.
Ao lado delas, a gente se sente no balanço de uma rede que dança gostoso numa tarde grande, sem relógio e sem agenda.
Ao lado delas, a gente se sente comendo pipoca na praça.
Lambuzando o queixo de sorvete, melando os dedos com algodão doce
da cor mais doce que tem pra escolher.
O tempo é outro, e a vida fica com a cara que ela tem de verdade,mas que a gente desaprende de ver.
Tem gente que tem cheiro de colo de Deus. De banho de mar quando a água é quente e o céu é azul.
Ao lado delas, a gente sabe que os anjos existem e que alguns são invisíveis. Tem gente, que ao lado delas é como se estivéssemos
chegando em casa e trocando o salto pelo chinelo.
Sonhando a maior tolice do mundo com a sensação
de quem não liga pra isso.Ao lado delas, pode ser abril,
mas parece manhã de Natal... do tempo em que
a gente acordava e encontrava o presente do Papai Noel.
Tem gente que tem cheiro das estrelas que Deus acendeu no céu e daquelas que conseguimos acender na Terra.
Ao lado delas, a gente não acha que o amor é possível,
a gente tem certeza que ele existe.
Ao lado delas, a gente se sente visitando um lugar feito de alegria.
Recebendo um buquê de carinhos, abraçando um filhote de urso panda.
Tocando com os olhos os olhos da paz.Ao lado delas, saboreamos a delícia.

Será que existe alguma forma de transformar aquela rotina chata e repetitiva, executada todos os dias, em algo que realmente traga felicidade para a sua vida? Como será possível com as mesmas tarefas diárias, encaixar alguns momentos de alegria a este hábito?

Se estiver em mente algo milagroso e muito fácil, nem é preciso terminar de ler este texto, pois tudo depende de muita dedicação e principalmente de grandes doses de força de vontade. Encontrar um tempinho para adicionar momentos de felicidade a sua vida, pode ser um pouco difícil, pois ainda não é possível adicionar horas ao seu dia, e tudo deverá ser feito ao mesmo tempo que excuta todas as suas tarefas do dia a dia.

Comece uma lista com as coisas que o faz feliz, de preferência com eventos que estão ao seu alcance, para não tornar o processo ainda mais difícil. Pode ser tomar aquele sorvete que mais gosta, ou bater um papo com aquela sua tia que mesmo morando tão perto, vocês quase nunca se veem.

Programe o seu dia com a inclusão de um desses momentos de felicidade, pode ser que na primeira tentativa, não dê certo, por falta de tempo ou por qualquer outra eventualidade. Mas não desista! Tente novamente até conseguir viver aquele momento que o faz feliz, e depois verá como todos os problemas que foram vividos durante o dia, se transformaram numa satisfação imensa por ainda estar vivo e ter a certeza que ainda pode ser feliz.

Tem gente que tem cheiro de passarinho quando canta,
de sol quando acorda,
de flor quando ri. Ao lado delas,
a gente se sente no balanço de uma rede que dança gostoso numa tarde grande,
sem relógio e sem agenda.

Ao lado delas,
a gente se sente comendo pipoca na praça,
lambuzando o queixo de sorvete,
melando os dedos com algodão doce da cor mais doce que tem pra escolher.

O tempo é outro e a vida fica com a cara que ela tem de verdade,
mas que a gente desaprende de ver.

Tem gente que tem cheiro de colo de Deus,
de banho de mar quando a água é quente e o céu é azul.

Ao lado delas,
a gente sabe que os anjos existem e que alguns são invisíveis.

Ao lado delas,
a gente se sente chegando em casa e trocando o salto pelo chinelo,
sonhando a maior tolice do mundo com o gozo de quem não liga pra isso.

Ao lado delas,
pode ser abril, mas parece manhã de Natal do tempo em que a gente acordava e encontrava o presente do Papai Noel.

Tem gente que tem cheiro das estrelas que Deus acendeu no céu e daquelas que conseguimos acender na Terra.

Ao lado delas,
a gente não acha que o amor é possível,
a gente tem certeza.

Ao lado delas,
a gente se sente visitando um lugar feito de alegria,
recebendo um buquê de carinhos,
abraçando um filhote de urso panda,
tocando com os olhos os olhos da paz.

Ao lado delas,
saboreamos a delícia do toque suave que sua presença sopra no nosso coração.

Tem gente que tem cheiro de cafuné sem pressa,
do brinquedo que a gente não largava,
do acalanto que o silêncio canta,
de passeio no jardim.

Ao lado delas,
a gente percebe que a sensualidade é um perfume que vem de dentro
e que a atração que realmente nos move não passa só pelo corpo,
corre em outras veia pulsa em outro lugar.

Ao lado delas,
a gente lembra que no instante em que rimos Deus está conosco,
juntinho ao nosso lado e a gente ri grande que nem menino arteiro.

Tem gente, COMO VOCÊ,
que nem percebe como tem a alma perfumada!
E que esse perfume é dom de Deus.

Você estava apaixonado por alguém e levou um fora. Acontece mais do que acidente de avião, desastre com romeiros e incêndio na floresta. Corações partidos é o grande drama nacional. O que fazer? Ainda não lançaram um manual de auto-ajuda que consiga eliminar nossa fossa, e dos amigos só podemos esperar uma frase, repetida à exaustão: tire esse cara da cabeça. Parece fácil. Mas alguém aí me diga: como é que se tira alguém de um lugar tão cheio de mistérios?

Gostar de alguém é função do coração, mas esquecer, não. É tarefa da nossa cabecinha, que aliás é nossa em termos: tem alguma coisa lá dentro que age por conta própria, sem dar satisfação. Quem dera um esforço de conscientização resolvesse o assunto: não gosto mais dele, não quero mais saber daquele prepotente, desapareça, um, dois e já!

Parece que funcionou. Você sai na rua para testar. Sim, você conseguiu: olhou vitrines, comeu um sorvete e folheou duas revistas sem derramar uma única lágrima. Até que começa a tocar uma música no rádio e desanda a maionese. Você não tirou coisa alguma da cabeça, ele ainda está lá, cantando baixinho pra você.

Táticas. Não ficar em casa relendo cartas e revendo fotos. Descole uma festa e produza-se para matar. Você bem que tenta, mas nada sai como o planejado. Os casais que se beijam ao seu lado são como socos no estômago. Você se sente uma retardada na pista de dança. Um carinha puxa papo com você e tudo o que ele diz é comparado com o que o seu ex diria, com o que o seu ex faria. Chamem o EccoSalva.

Livros. Um ótimo hábito, mas em vez de abstrair, você acha que tudo o que o escritor escreve é para você em particular, tudo tem semelhança com o que você está vivendo, mesmo que você esteja lendo sobre a erupção do Vesúvio que soterrou Pompéia.

Viajar. Quem vai na bagagem? Ele. Você fica olhando a paisagem pela janela do ônibus e só no que pensa é onde ele estará agora, sem notar que ele está ali mesmo, preso na sua mente.

Livrar-se de uma lembrança é um processo lento, impossível de programar. Ninguém consegue tirar alguém da cabeça na hora que quer, e às vezes a única solução é inverter o jogo: em vez de tentar não pensar na pessoa, esgotar a dor. Permitir-se recordar, chorar, ter saudade. Um dia a ferida cicatriza e você, de tão acostumada com ela, acaba por esquecê-la. Com fórceps é que a criatura não sai.

(Martha Medeiros)