Mensagens de Ex-amor


Enquanto espero por você, esta distância me sufoca impiedosamente. Meu coração bate forte de saudade e a falta que você me faz, traz frio para minha vida.

Enquanto espero que você volte, mesmo sabendo que não vai demorar, eu percebo o quanto te amo. É por este beijo que tenho guardado. É por este abraço que preciso de te dar.

A saudade já está apertando meu peito! Somos a prova que afeto é mais importante que sangue, que verdade é mais forte que linhagem. Você é mais que mãe adotiva.

Você é meu mundo! Minha vontade de viver! Agora que você vai viajar, a distância vai morder meu coração, mas tenho certeza que o tempo vai passar rápido. Tenha uma boa viagem, mãe! Beijo.

Acabou! Nosso namoro não é tão forte quanto a gente julgava. É hora de encarar o futuro sem alguém do nosso lado. Tudo que tem fim vive da dor e durante bastante tempo conseguimos anular o que está acontecendo agora. Acontece que nossa relação foi sempre conturbada demais.

Muita briga, incompreensão, falta de confiança, falta de união. Houve amor! Sem dúvida que tivemos bons momentos, mas as recordações não serão as mais positivas. É por isso que esta decisão seria tomada amanhã ou depois porque nosso namoro não ia dar certo. Procure sua felicidade! Ela existe, mas não sou eu! Até sempre.

Este tempo que temos dado ao nosso relacionamento, tem servido de lição para mim. Eu sei que as coisas não estavam resultando entre nós, mas ter você longe de mim é bem mais doloroso do que qualquer outra circunstância.

Nós podemos mudar tudo isso. Dar uma segunda chance aos nossos sentimentos, nos esforçando em manter a paz e a cumplicidade entre nós. É simplesmente uma questão de voltarmos a tentar.

À minha volta o mundo parece estar morrendo. As plantas murcham, as nuvens não desaparecem nunca, e toda a natureza parece soltar um terrível lamento ao mesmo tempo.

Mas o que penso enxergar e ouvir não é real, e é apenas fruto do meu olhar distorcido e dolorido de saudades suas, meu namorado!

Temo não conseguir suportar mais essa saudade, esta necessidade de ver você, de tocar e sentir você perto de mim... Temo ser eu quem lentamente morre de saudades!

Muitos amaram antes de nós, muitos foram felizes antes de nós, muitos sofreram antes de nós, muitos disseram adeus antes de nós. Mas por que para nós parece ser tão difícil?

Eu ainda sinto o calor da sua boca na minha, ainda vejo o seu rosto no travesseiro ao lado do meu, ainda escuto os seus passos no corredor da sala, e a sua gargalhada ainda enche o ar da casa de graça. Não quero me lembrar dos seus olhos tristes, não quero ouvir o seu choro. Não quero ver as minhas lágrimas diante do espelho.

Ainda ontem nós nos amávamos, ainda ontem estávamos um nos braços do outro fazendo juras de amor eterno. Mas há coisas que não podemos evitar. Então por que é tão difícil dizer adeus? Então por que dói tanto dizer adeus?

O que eu sinto não mudou. Os nossos rumos já se tornaram opostos e decidimos colocar um ponto final no nosso casamento. Pensamos que fosse o melhor a fazer, mas no meu caso, tudo na minha vida acabou desabando.

Não consigo ir em frente, seguir sozinho esta história de solidão. Ainda amo você de todo o coração e esta distância me fez perceber como sua importância ainda é grande para mim.

Ainda recordo seu sorriso! Ainda lembro de você pegar minha mão e falar que a vida é linda e merece ser vivida com alegria no coração. Por vezes, ainda sinto seu beijo de boa noite em meu rosto.

Não quero acreditar que você se foi, querida mãe! Sinto saudade – um vazio! Uma mulher encantadora e maravilhosa como você deveria continuar aqui, neste mundo, emanando bem por todo lado. Quero que você se orgulhe de quem sou e é por isso que vou dar uma chance para a felicidade. Te amo, mãe!

O tempo passa, fico pensando que vou limpar minha cabeça e meu coração, mas não consigo. Eu ainda te amo! Um amor que não tem nome, só sentimento, desejo, ansiedade.

Sinto que nosso namoro acabou nunca, porque temos tanto ainda para viver, para conhecer. Por favor, pense em nós! Só quero uma chance para provar que vamos ser muito felizes. Nada mais!

Nessa horrível noite monótona e fervente

Encontro-me aqui...

Na mente apenas a lembrança do seu rosto,

Dos seus olhos...

Com o ardente desejo de seus lábios

Passo os tristes dias a sua espera...

Meu coração em desalinho,

Completamente perdido

Começa a se derrocar perante sua constante presença nos meus pensamentos.

Meu coração já bate a seu favor,

Já palpita veloz ao te sentir perto...

Há tempos sonhava com você,

Sem saber quem realmente tu és,

Quando chegarias.

E agora,

Entrego-te meu coração

Para não mais chegar a beira do abismo

Perguntando-se o verdadeiro significado do amor,

Se ele existe ou se é apenas mais uma invenção da mente fértil do homem...

A sensação de vazio eterno

Faz parte de um passado mórbido,

Tenebroso...

A dor da solidão consumia meus sonhos,

Meus desejos,

As lágrimas que caiam da minha alma

Faziam brotar um sentimento sombrio,

Capaz de me transformar em apenas mais um ser,

Sem sentimentos,

Mas você chegou,

E hoje...

A saudades já é devastadora...

Não nego que sinto falta de sua voz,

Da sua presença,

Mas você fez nascer dentro de mim

Um sentimento puro,

Incomparável...

E a ele me apego nessas noites insanas

Para suprir a dor da sua ausência.

Existem duas dores de amor:
A primeira é quando a relação termina e a gente,
seguindo amando, tem que se acostumar com a ausência do outro,
com a sensação de perda, de rejeição e com a falta de perspectiva,
já que ainda estamos tão embrulhados na dor
que não conseguimos ver luz no fim do túnel.

A segunda dor é quando começamos a vislumbrar a luz no fim do túnel.

A mais dilacerante é a dor física da falta de beijos e abraços,
a dor de virar desimportante para o ser amado.
Mas, quando esta dor passa, começamos um outro ritual de despedida:
a dor de abandonar o amor que sentíamos.
A dor de esvaziar o coração, de remover a saudade, de ficar livre,
sem sentimento especial por aquela pessoa. Dói também…

Na verdade, ficamos apegados ao amor tanto quanto à pessoa que o gerou.
Muitas pessoas reclamam por não conseguir se desprender de alguém.
É que, sem se darem conta, não querem se desprender.
Aquele amor, mesmo não retribuído, tornou-se um souvenir,
lembrança de uma época bonita que foi vivida…
Passou a ser um bem de valor inestimável, é uma sensação à qual
a gente se apega. Faz parte de nós.
Queremos, logicamente, voltar a ser alegres e disponíveis,
mas para isso é preciso abrir mão de algo que nos foi caro por muito tempo,
que de certa maneira entranhou-se na gente,
e que só com muito esforço é possível alforriar.

É uma dor mais amena, quase imperceptível.
Talvez, por isso, costuma durar mais do que a ‘dor-de-cotovelo’
propriamente dita. É uma dor que nos confunde.
Parece ser aquela mesma dor primeira, mas já é outra. A pessoa que nos
deixou já não nos interessa mais, mas interessa o amor que sentíamos por
ela, aquele amor que nos justificava como seres humanos,
que nos colocava dentro das estatísticas: “Eu amo, logo existo”.

Despedir-se de um amor é despedir-se de si mesmo.
É o arremate de uma história que terminou,
externamente, sem nossa concordância,
mas que precisa também sair de dentro da gente…
E só então a gente poderá amar, de novo.


(Martha Medeiros)

Palavra que na alma cala...
Quando a ausência de quem se ama
mais alto, dentro de nós, fala!
É sentimento dorido,
pois não tem aquele que já não o tenha sofrido...
Pela dor de um amor já findo.
Adeus é despedida sem volta
é sentimento profundo doído.
Uma saudades que nunca acaba
Que a gente nunca esquece...
O tempo apenas esmorece.
Mas na alma fica reservado
No coração resguardado...
Num cantinho do ser, escondido!
A vida passa e com ela a dor
dilacera todo o sofrimento contido...
E quem dera a vida sem ela...
Seria tão mais linda! Mais bela!
Se esta palavra fosse de nós abolida!
E com ela o sentimento tão triste,
que nesta cinco letras, se revela...

Palavra que na alma cala...
Quando a ausência de quem se ama
mais alto, dentro de nós, fala!
É sentimento dorido,
pois não tem aquele que já não o tenha sofrido...
Pela dor de um amor já findo.
Adeus é despedida sem volta
é sentimento profundo doído.
Uma saudades que nunca acaba
Que a gente nunca esquece...
O tempo apenas esmorece.
Mas na alma fica reservado
No coração resguardado...
Num cantinho do ser, escondido!
A vida passa e com ela a dor
dilacera todo o sofrimento contido...
E quem dera a vida sem ela...
Seria tão mais linda! Mais bela!
Se esta palavra fosse de nós abolida!
E com ela o sentimento tão triste,
que nesta cinco letras, se revela...

É tão difícil compreender as emoções quando se rompe uma relação. Às vezes, temos certeza que tudo passou e de repente tudo volta. Como definir se o que sentimos é amor ou não é? Se é saudade ou solidão? Tristeza ou decepção? Posse ou desejo? Perda. Quando se perde um grande amor, muitas dúvidas emergem sob o fundo do sofrimento. Para alguns é um momento de intenso crescimento. Muito se pode aprender, uma aprendizagem que nos faz humildes diante da própria fragilidade.

Deparamo-nos com o que é a dor, a impotência diante dos sentimentos, a paciência necessária para esperar passar, pois a dor de amor não passa na velocidade da net, do gigas, dos chips, e o tempo que isso leva é indeterminado, é pessoal e singular.

Aceitar os altos e baixos, os enganos, os tropeços, as dúvidas, a falta de controle. Aceitar a não certeza, o não acesso ao que o outro sente e pensa, a incoerência do humano, a fraqueza, o medo, a culpa, o erro que não tem concerto, a marca da mentira e o que fazer com tudo isso?

O tempo não volta e as coisas não se apagam, por amor que tentamos, mas nada vai permanecer do jeito que está. A incerteza do futuro corrói, o medo do que virá, a ansiedade pelo novo e desconhecido, a prisão do passado, do familiar, que falta faz, será abstinência? Temos sim abstinência do outro a quem amamos e perdemos, somos forçados a esquecer quando ainda, ainda não estávamos preparados.

O choro que insiste em voltar, a vida que segue, e o tempo que insiste em passar, a confusão que não consegue chegar ao fim, tempos distintos, tempos diversos, tempo de cada um. Amor perdido, amor doído, amor esquecido, quando? Quando você está preparado para correr o risco de passar por tudo isso de novo e lembrar da abundância de felicidade num coração que ama, e é também amado...

(Priscila Lima e Melissa Coutinho)
(Terapiólogas)

Se a cada tristeza lembro-me do teu sorriso?
Se a cada solidão sinto a tua presença?
Se a cada lágrima lembro-me do seu silêncio?
Se a cada palavra lembro-me de você?
Você está a cada ausência.
Você está a cada gesto.
Em cada amanhecer da vida.
No silêncio do meu pensamento.
Lembro-me que foi bom te conhecer.
E sentir que sou o bastante...
Para te encontrar em cada alvorecer.
Te gosto com qualidades e defeitos.
Quero somente que você me aceite apenas como sou.
Pense em alguém no silêncio da noite.
Alguém que não precisa nem do silêncio da noite para pensar em você.
Algum dia serei algo que passou na sua vida.
Mas, para mim você sempre será alguém que lembrarei com muito amor...

Te amo e sempre hei de amar...