Mensagens Professor

Encontradas mais de 43 Mensagens Professor:

A Verdadeira Essência do Jiu Jitsu

É triste constatar a seguinte realidade: se você acha que pratica o verdadeiro Jiu-Jitsu, saiba que provavelmente não é verdade. O verdadeiro Jiu-Jitsu está morrendo. Salvo raras excessões, aquela arte marcial, mais eficiente que todas as outras, tal como sempre ouvimos falar, quase não existe mais. Não digo que o que você aprende hoje em dia não seja suficiente para se defender e até fazer bonito em cima de um fanfarrão qualquer, mas: você sabe defender-se de um ou mais agressores em uma briga de rua? Ou você nunca treinou defesa pessoal, acreditando que na hora pensará em alguma coisa? Não se engane. Em se tratando de luta, como diziam os antigos mestres, ou você sabe ou não sabe. Se não treinou, não sabe, ponto.

O antigo judô, ou Kano Ju-Jitsu, era uma arte marcial completa, derivada do antigo JuJutsu (arte marcial sem armas praticada pelos antigos samurais). Mestre Kano criou uma arte marcial e não um esporte como alguns fazem crer. Inclusive o Jiu-Jitsu desenvolvido pela família Gracie, no Brasil foi ensinado a Carlos Gracie por por Mitsuyo Maeda, o Conde Koma, que treinou a arte suave na Academia Kodokan de Jigoro Kano lá no Japão. Então, fica a pergunta: O que ocorreu com o Judô afinal de contas? Foi exatamente o mesmo que vem acontecendo com nosso Brazilian Jiu-Jitsu na atualidade: Uma arte marcial quando vira esporte, acaba sucumbindo a tantas regras que perde sua marcialidade. Se por um lado a arte marcial sendo divulgada como esporte atrai mais e mais adeptos buscando a tal arte marcial perfeita, por outro lado, as academias visando apenas medalhas e títulos ensinam cada vez menos o que os alunos mais ansiavam num primeiro momento (olha a redundância aí!). Hora, aquele aluno que sempre ouviu falar que o Jiu-Jitsu é a arte marcial mais eficiente do mundo acaba por empolgar-se realmente quando tem contato com ela (afinal Jiu-Jitsu é empolgante mesmo) mas sem saber, acaba praticando apenas uma das várias vertentes do jiu jitsu, ou seja, a parte esportiva que visa apenas testar conhecimento na arena entre os atletas. Se o professor não for muito consciente da rara oportunidade que tem nas mãos, de desenvolver seres humanos cada vez mais fortes e confiantes, não passará para eles a parte de defesa pessoal do jiu jitsu que é o que realmente interessa. Vejamos o que o grande mestre Hélio Gracie disse a respeito quando ainda em vida em entrevista à Fightingnews:

“O Jiu-Jitsu que criei foi para dar chance aos mais fracos enfrentarem os mais pesados e fortes. E fez tanto sucesso, que resolveram fazer um Jiu-Jitsu de competição. Gostaria de deixar claro que sou a favor da prática esportiva e da preparação técnica de qualquer atleta, seja qual for sua especialidade. Além de boa alimentação, controle sexual e da abstenção de hábitos prejudiciais à saúde. O problema consiste na criação de um Jiu-Jitsu competitivo com regras, tempo inadequado e que privilegia os mais treinados, fortes e pesados. O objetivo do Jiu-Jitsu é, principalmente, beneficiar os mais fracos, que não tendo dotes físicos são inferiorizados. O meu Jiu-Jitsu é uma arte de autodefesa que não aceita certos regulamentos e tempo determinado. Essas são as razões pelas quais não posso, com minha presença, apoiar espetáculos, cujo efeito retrata um anti Jiu-Jitsu”.

(João Pedro Guimarães)
(Jiu Jitsu Uberlândia)

Postar no Facebook
Aumente Seu Aprendizado

Para ajudar você a aumentar seu conhecimento, separamos algumas dicas, confira:

Para estudar melhor: Método SOAR

O professor de psicologia educacional, Ken Kiewra, explica que “o aprendizado acontece de maneira mais eficiente quando informações importantes são separadas de ideias menos importantes, organizadas graficamente, quando são criadas associações entre ideias e quando o entendimento é regulado por meio do auto-teste”. Simplificando esses conceitos, o método SOAR de aprendizado significa: selecionar, organizar, associar e regular. Você pode colocar isso em prática criando quadros comparativos, construindo associações, gravando anotações e praticando os conteúdos por meio de testes feitos consigo mesmo.

Para estudar melhor: Faça exercícios

Pode parecer inusitado, mas o que você faz fora da sala de aula desempenha um papel muito importante em seu aprendizado. O biólogo molecular John Medina, autor do livro “Aumente o poder do seu cérebro”, explica que os exercícios físicos “aprimoram inúmeras habilidades que são valorizadas tanto na sala de aula quanto no ambiente de trabalho”. Medina acrescenta que “o risco geral de demência também é diminuído pela metade quando as pessoas participam de atividades físicas, sejam exercícios ou apenas lazer”.

Para estudar melhor: Se reúna com amigos

Conversar por apenas 10 minutos antes das provas pode aprimorar sua memória e seu desempenho. Um estudo feito por pesquisadores da Universidade de Michigan mostrou que quanto maior o nível de sociabilidade das pessoas, melhor sua performance cognitiva. Esse resultado foi observado em todas as faixas etárias presentes no estudo, que ia de 24 a 96 anos.

Para estudar melhor: Estudar para fazer testes ou fazer testes para estudar?

Um estudo publicado no jornal Science descobriu que os estudantes que leram um trecho de texto e depois fizeram um teste que pedia a eles que se lembrassem do que haviam lido absorveram as informações 50% a mais do que os outros participantes do experimento. Quando for estudar para uma prova, por exemplo, procure testar seus conhecimentos com boas questões. Você pode pedir a ajuda de um amigo ou de seus pais para que corrijam suas respostas e as avaliem.

Para estudar melhor: Não evite os erros

Quando fizer os auto-testes, não tenha medo de errar. Na realidade, isso pode ajudá-lo a aprender. Diversas pesquisas já mostraram que o erro é uma das melhores formas de absorvermos conteúdos, pois praticamos aquilo que precisamos estudar. Faça provas para si mesmo que sejam desafiadores e que vão além do que o professor pede, para que na hora dos testes reais você esteja preparado, tanto mental como psicologicamente.

Para estudar melhor: Beba algo doce

Da mesma forma como os exercícios podem ajudar você a aumentar sua capacidade cognitiva, a glicose também é muito útil. Uma bebida doce, consumida de 30 minutos a uma hora antes que você tenha que se lembrar dos conteúdos irá aumentar sua capacidade de memória. Essa dica é válida especialmente antes de provas, vestibulares e outros tipos de teste. Você pode beber um chá, suco ou café. No caso da terceira opção, os resultados podem ser ainda melhores.

Para estudar melhor: Desligue as distrações

Música, aparelhos digitais e qualquer outra fonte de desatenção deve ser eliminados de seu espaço de estudos. Se você precisa de seu computador, instale programas de bloqueio temporário de sites que podem distraí-lo, como redes sociais e jogos online. Você deve se empenhar para criar esse hábito e disciplina, caso contrário, seu aprendizado será prejudicado.

Para estudar melhor: Estude em grupo

É claro que estudar em grupos pode ser uma estratégia de aprendizado útil, mas é necessário saber a hora certa para usá-la. Estude com seus amigos para relembrar os conteúdos que você já revisou sozinho. Você podem compartilhar exemplos e métodos, mas todos devem ter se preparado com antecedência para não desequilibrar os outros colegas. Se algum de seus amigos estiver com maior dificuldade, ensine a matéria para ele. Além de ajudá-lo, você também estará aprendendo junto.

Para estudar melhor: Gesticule

A gesticulação pode desempenhar um papel muito importante no aprendizado, pois ela ajuda os estudantes a incorporar de maneira alternativa as novas ideias que foram ensinadas. Mova suas mãos enquanto recita as matérias e tenha um gesto específico para cada uma delas. Na hora da prova, esses movimentos poderão diminuir a dificuldade de se lembrar das matérias.

Para estudar melhor: Seja supersticioso

Se você acredita em desejos e amuletos, fique atento para essa dica. Esse tipo de recurso pode ajudar você a ir bem na prova. Mais do que um poder de outra dimensão, eles aumentam a autoconfiança e, consequentemente, seus resultados nos tarefas.

Para estudar melhor: Converse consigo mesmo

Use essa estratégia quando for aprender novos conteúdos. Fale-os em voz alta, em frente a um espelho ou sozinho em um quarto. Você pode usar essa técnica com diferentes matérias: história, geografia, biologia e até mesmo educação física, como motivação.

Para estudar melhor: Durma bem

Dormir é essencial para sua saúde física e mental. Pessoas com hábitos ruins e desequilibrados de descanso possuem problemas de memória, concentração e raciocínio. É importante que você durma de seis a oito horas por dia. Se puder, cochile rapidamente, por até meia hora, em um intervalo entre atividades. Isso ajuda você a se sentir revigorado e apto para a nova tarefa. Se ultrapassar esse tempo, o cochilo pode causar o efeito contrário, deixando você mais sonolento e lento.

Para estudar melhor: Rabisque

Durante as aulas, enquanto o professor passa os conteúdos, rabisque em um papel de rascunho. O psicólogo e escritor Simon M. Laham explica que isso pode ser usado durante reuniões ou na leitura de um livro. Pesquisas científicas mostram que pessoas que rabiscam conseguem memorizar até 30% a mais do que as que ficam passivas.

Para estudar melhor: Use o método socrático

Tanto para praticar quanto para aprender, o método socrático é muito útil e pode ajudar você a estudar. Debata os conteúdos com seus amigos e testes as matérias e opiniões entre vocês para comprovar o aprendizado.

Para estudar melhor: Ensine outras pessoas

Como dissemos anteriormente, estudar com seus amigos pode ser muito bom para seu aprendizado. Desenvolvendo essa ideia, você também pode pedir a atenção de seus pais e outros colegas para ensiná-los aquilo que aprender ou que será cobrado na prova. Isso ajuda você a rever os conteúdos, testar seus conhecimentos e a memorizar aquilo que é necessário.

Para estudar melhor: Faça resumos

Uma ótima forma de aprendizado para quem gosta de escrever é fazer resumos das principais matérias. Você deve separar de seu caderno e livros o que é mais importante e que irá ser cobrado nas provas. Faça um texto com suas próprias palavras explicando cada tópico de maneira clara e objetiva.

Para estudar melhor: Relacione conteúdos

É importante que você evite decorar as matérias, pois na hora da prova pode acontecer o famoso “branco” que prejudica tantas pessoas. Procure relacionar os conteúdos entre si e estabelecer associações para que, mesmo que uma matéria seja esquecida, outra relacionada ajuda você a relembrar.

Para estudar melhor: Faça uma boa refeição

Você deve fazer um bom café da manhã sempre, mas principalmente no dia de uma prova importante. Uma refeição com muitos carboidratos, fibras e alimentos de digestão lenta, como a aveia. Sua alimentação deve ser sempre equilibrada e saudável, não apenas em época de provas.

Para estudar melhor: Fique calmo

Evite o estresse, pois ele prejudica seu sono e concentração. Aprenda a controlar suas emoções e a manter suas expectativas sobre controle para que você não seja traído por si mesmo.

Para estudar melhor: Não se atrase

É importante que você não deixe tudo para a última hora. Faça as leituras com antecedência e esteja preparado para as provas antes do dia anterior. Você terá tempo de sobra para tirar dúvidas e aprofundar seu conhecimento, sem a pressão do tempo causando ansiedade desnecessária.

(Universia Brasil)
(Notícias Universia)

Postar no Facebook
Filosofia do Jiu-jitsu

O Jiu-jitsu não persegue, apenas, um ideal de defesa pessoal ou o ouro nas competições. Muito mais que isso, engloba um conjunto de conhecimentos que transportam o Budo, essa quintessência das artes marciais do oriente.

Ao apresentar-se, o principiante busca, normalmente, aprender as técnicas que lhe permitam defender-se eficientemente de eventuais agressões físicas. Mas também, muito normalmente, ele perde o auto-controle se for agredido moralmente. Já o iniciado, o graduado, deverá perseguir o Budo desenvolvendo um equilíbrio entre a sua parte física e a mental, buscando atingir um profundo auto-conhecimento. À medida que o iniciado progride na escala hierárquica, deverá, cada vez mais, dominar-se a si mesmo, da mesma forma que pode dominar seus adversários; deverá, cada vez mais, concentrar-se no desenvolvimento de sua harmonia interior e na sua interação e integração com o Universo.

Todo aquele que atingir o nível de Sensei ou Shi-han julgando-se invencível ou superior, não tendo desenvolvido um excelente autocontrole psicossomático, nem tendo conhecido as verdadeiras essências da Arte da Suavidade e da Suavidade da Arte, não é um Sensei nem um Shi-han: é um imbecil. Pode até ter passado a vida "ensinando" Jiu-jitsu, mas na realidade não conseguiu aprender nada! Acabou morrendo na praia. Esta dica serve de alerta para muitos principiantes, que buscam, apenas, vencer uma briga no lusco-fusco de uma danceteria da moda. Não é preciso quebrar o pescoço de um desafeto para provar que se pode vencê-lo; é necessário, apenas, saber que se pode vencê-lo.

Nas entrelinhas do treinamento, o professor deve deixar o Jiu-jitsu trabalhar a energia interior de seus discípulos; evitar que usem demasiadamente a força bruta; desenvolver no espírito deles o espírito da Arte Suave; promover neles o melhor equilíbrio entre razão e emoção. Le coeur a des raisons que la raison elle-mêmme ne connait pas: o velho filósofo francês dizia que o coração tem razões que a própria razão desconhece. Para um praticante verdadeiramente bem desenvolvido em Jiu-jitsu, esse desconhecimento será o menor possível.

Saber dominar e controlar seu corpo e sua mente é o objetivo final do iniciado em Jiu-jitsu. A luta é apenas uma parte integrante do caminho que leva a esse objetivo, porque quem possui a morte nas mãos deve possuir, também, a responsabilidade e a coerência daí decorrentes. Boa parte da Sabedoria está em poder distinguir o todo da parte e a parte da meta. Quem não consegui-lo, jamais será um verdadeiro sensei.

Por melhor que seja, um livro não pode condensar a filosofia do Jiu-jitsu num único capítulo. A filosofia só pode ser transmitida pessoalmente, aos poucos através dos anos, com a vivência e a convivência entre professores e alunos. Formar um lutador é fácil, a dificuldade consiste em formar um discípulo. Eu mesmo já formei muitos lutadores, ótimos lutadores, mas meus discípulos se contam com os dedos de uma só mão. Meus alunos poderão até levar avante a minha técnica, porém, somente meus discípulos conseguirão imortalizar minha memória, junto com a filosofia, o conhecimento e os segredos que herdei de Américo e de Loanza (*).

E assim será com todos os outros professores que ensinam o verdadeiro Jiu-jitsu.

(Jiu Jitsu & Judo)

Postar no Facebook