Mensagens de Alegria

Encontradas mais de 696 Mensagens de Alegria:

A Alegria na Tristeza

O título desse texto na verdade não é meu, e sim de um poema do uruguaio Mario Benedetti. No original, chama-se "Alegría de la tristeza" e está no livro "La vida ese paréntesis" que, até onde sei, permanece inédito no Brasil.

O poema diz que a gente pode entristecer-se por vários motivos ou por nenhum motivo aparente, a tristeza pode ser por nós mesmos ou pelas dores do mundo, pode advir de uma palavra ou de um gesto, mas que ela sempre aparece e devemos nos aprontar para recebê-la, porque existe uma alegria inesperada na tristeza, que vem do fato de ainda conseguirmos senti-la.

Pode parecer confuso mas é um alento. Olhe para o lado: estamos vivendo numa era em que pessoas matam em briga de trânsito, matam por um boné, matam para se divertir. Além disso, as pessoas estão sem dinheiro. Quem tem emprego, segura. Quem não tem, procura. Os que possuem um amor desconfiam até da própria sombra, já que há muita oferta de sexo no mercado. E a gente corre pra caramba, é escravo do relógio, não consegue mais ficar deitado numa rede, lendo um livro, ouvindo música. Há tanta coisa pra fazer que resta pouco tempo pra sentir.

Por isso, qualquer sentimento é bem-vindo, mesmo que não seja uma euforia, um gozo, um entusiasmo, mesmo que seja uma melancolia. Sentir é um verbo que se conjuga para dentro, ao contrário do fazer, que é conjugado pra fora.

Sentir alimenta, sentir ensina, sentir aquieta. Fazer é muito barulhento.

Sentir é um retiro, fazer é uma festa. O sentir não pode ser escutado, apenas auscultado. Sentir e fazer, ambos são necessários, mas só o fazer rende grana, contatos, diplomas, convites, aquisições. Até parece que sentir não serve para subir na vida.

Uma pessoa triste é evitada. Não cabe no mundo da propaganda dos cremes dentais, dos pagodes, dos carnavais. Tristeza parece praga, lepra, doença contagiosa, um estacionamento proibido. Ok, tristeza não faz realmente bem pra saúde, mas a introspecção é um recuo providencial, pois é quando silenciamos que melhor conversamos com nossos botões. E dessa conversa sai luz, lições, sinais, e a tristeza acaba saindo também, dando espaço para uma alegria nova e revitalizada. Triste é não sentir nada.

(Martha Medeiros)

Postar no Facebook
Mantendo a Alegria de Viver

A alegria é o primeiro passo para conquistar e manter a saúde. Viver em plenitude, apesar das dificuldades próprias de nossa condição humana, é investir no próprio equilíbrio e serenidade.

Mas o que é exatamente viver em plenitude? Como manter a alegria de viver diante de tantos e complexos desafios sociais e individuais que nos atingem diariamente?

Viver em plenitude seria ter e adquirir coisas, desfrutar de vantagens e confortos que o dinheiro pode comprar e ocupar posições privilegiadas na vida? Não, absolutamente.

Viver em plenitude é, antes de tudo, estar com a consciência em paz e compreender os altos significados da própria vida, tais como a permanente necessidade do autoaprimoramento intelecto-moral e a importância de lutar por uma consciência de paz interior. Ora, manter e viver com a consciência em paz conclama aos deveres perante si mesmo e perante o próximo. Isso inclui todos os deveres próprios da cidadania, do dever humanitário da solidariedade e do perdão e mesmo o dever individual de levantar a cabeça diante das adversidades.

Rápida análise desses itens enumerados no final do parágrafo anterior desdobram inúmeros outros deveres. Fala-se tanto em direitos, mas esquece-se dos deveres que equilibram a vida e garantem a harmonia na convivência.

Viver em plenitude é exatamente essa consciência de viver em paz, perante si mesmo e perante os que nos compartilham a vida. É sim desfrutar a vida, mas com respeito às diferenças todas que nos caracterizam e com a noção plena de que todos precisamos muito uns dos outros e que toda atitude de indiferença, omissão ou discriminação pode gerar violências e comprometer a harmonia que tanto necessitamos.

A postura da alegria de viver é atitude de respeito à vida, de confiança nos poderes maiores que nos dirigem o caminho evolutivo e da iniciativa de agir em favor da harmonia de todos.

Notem que os grandes problemas da humanidade são de ordem moral.

Sejamos, pois, aqueles que respeitam a vida e espalham esperança, com nossa espontânea alegria de viver. Viver sem medo, sem motivos que causem arrependimentos futuros e especialmente viver com dignidade na plena noção de nossos deveres: auxiliar o progresso, instruirmo-nos mutuamente e trabalhar pelo aprimoramento de nossas instituições políticas, religiosas, culturais, esportivas, educativas e sociais de todos os gêneros.

Só quando respeitarmos integralmente a vida é que sentiremos essa alegria de viver que nos garante saúde física, mental e espiritual. A decisão é nossa, só depende mesmo de nossas escolhas. O que estamos aguardando? Por que os ímpetos egoístas e agressivos?

Já é tempo de amadurecermos as próprias ideias e comportamentos.

(Orson Carrara)
(O Consolador)

Postar no Facebook