Canção da Tarde no Campo

Caminho do campo verde
estrada depois de estrada.
Cerca de flores, palmeiras,
serra azul, água calada.

Eu ando sozinha
no meio do vale.
Mas a tarde é minha.

Meus pés vão pisando a terra
Que é a imagem da minha vida:
tão vazia, mas tão bela,
tão certa, mas tão perdida!

Eu ando sozinha
por cima de pedras.
Mas a tarde é minha.

Os meus passos no caminho
são como os passos da lua;
vou chegando, vai fugindo,
minha alma é a sombra da tua.

Eu ando sozinha
por dentro de bosques.
Mas a fonte é minha.

De tanto olhar para longe,
não vejo o que passa perto,
meu peito é puro deserto.
Subo monte, desço monte.

Eu ando sozinha
ao longo da noite.
Mas a estrela é minha.

(Cecília Meireles)

Mensagens Relacionadas

O amor é eterno e com ele
as canções de paixão ou de
ternura ou até de emoção.
O amor é lindo, meu bem!

Juntos vamos celebrar no ar
ou no mar, o que interessa é
não deixar de amar.

Juntos vamos celebrar no ar
ou no mar, o que interessa é
cuidar, beijar, amar.

Um amor assim é raro, raro
como não existe mais assim
e ele é raro mas é nosso, meu
bem; raro, mas só nosso, amor!

O amor não é mais do que poesia cantada pelo coração.

Não tenho mais os olhos de menina
nem corpo adolescente, e a pele
translúcida há muito se manchou.
Há rugas onde havia sedas, sou uma estrutura
agrandada pelos anos e o peso dos fardos
bons ou ruins.
(Carreguei muitos com gosto e alguns com rebeldia.)

O que te posso dar é mais que tudo
o que perdi: dou-te os meus ganhos.
A maturidade que consegue rir
quando em outros tempos choraria,
busca te agradar
quando antigamente quereria
apenas ser amada.
Posso dar-te muito mais do que beleza
e juventude agora: esses dourados anos
me ensinaram a amar melhor, com mais paciência
e não menos ardor, a entender-te
se precisas, a aguardar-te quando vais,
a dar-te regaço de amante e colo de amiga,
e sobretudo força que vem do aprendizado.
Isso posso te dar: um mar antigo e confiável
cujas marés mesmo se fogem retornam,
cujas correntes ocultas não levam destroços
mas o sonho interminável das sereias.

(Lya Luft)

Num instante de êxtase
De contentamento pleno e total
Entre desejos e fantasias
Fantasia e realidade

O sonho adormecido ressurge do infinito
E a chama novamente se acende
Quando o medo é esquecido

A doce mágica... sorrisos expostos
Loucura presente entre a dor e a alegria
Alma sobre alma, poder sobre querer
Promessas... juras de amor eterno

Da intensidade da paixão
A espera de um coração
Tocando a canção
Sempre ao rítmo da emoção

Fiz uma canção para mim e este coração
Mergulhei em mares de tristeza profunda
Perdi a minha noção
Silenciei medos constantes e inconscientes estão.

Gerei inimigos, caí em imersos abismos
Fiz grandes amigos
porque aonde vou os levo sem nenhum rancor
Senti várias emoções e perdidas na escuridão estarão...

(Ursula Neves)