O Gato e o Galo

Um gato, ao agarrar um galo, ficou imaginando como encontrar uma desculpa, qualquer que fosse, para justificar o seu desejo de come-lo.

Acusou ele então de causar aborrecimentos aos homens, ao cantar à noite, não deixando assim ninguém dormir.

O galo se defendeu dizendo que fazia isso em benefício dos homens, e que desse modo eles podiam acordar cedo para não perder a horário de trabalho.

O gato respondeu; "Apesar de você ter me dado uma boa desculpa eu não posso ficar sem comer." E assim comeu o galo.

Moral da História: Quem é mau caráter, sempre vai achar uma desculpa para tornar legítimas suas ações

Mensagens Relacionadas

Empoleirado em um alto galho de árvore, o galo estava de sentinela, vigiando o campo para ver se não havia perigo para as galinhas e os pintinhos que ciscavam o solo à procura de minhocas. A raposa, que passava por ali, logo os viu e imaginou o maravilhoso almoço que teria se comesse um deles. Quando viu o galo de vigia, a raposa logo inventou uma historinha para enganá-lo.

- Amigo galo, pode ficar sossegado. Não precisa cantar para avisar às galinhas e os pintinhos que estou chegando. Eu vim em paz.

O galo, desconfiado, perguntou:

- O que aconteceu? As raposas sempre foram nossas inimigas. Nossos amigos são os patos, os coelhos e os cachorros. Que é isso agora?

Mas a espertalhona continuou:

- Caro amigo, esse tempo já passou! Todos os bichos fizeram as pazes e estão convivendo em harmonia. Não somos mais inimigos. Para provar o que digo, desça daí para que eu possa lhe dar um grande abraço!

O que a raposa queria, na verdade, era impedir que o galo voasse para longe. Se ele descesse até onde ela estava, seria fácil dar-lhe um bote. Mas o galo não era bobo. Desconfiado das intenções da raposa, ele lhe perguntou:

- Você tem certeza de que os bichos são todos amigos agora? Isso quer dizer que você não tem mais medo dos cães de caça?

- Claro que não! - confirmou a raposa.

Então o galo disse:

- Ainda bem! Porque, daqui de cima estou avistando um bando que vem correndo para cá. Mas, como você disse, não há perigo, não é mesmo?

- O que?! - gritou a raposa, apavorada.

- São os seus amigos! Não precisa fugir, cara raposa. Os cães estão vindo para lhe dar um grande abraço, como esse que você quer me dar. Mas a raposa, tremendo de medo, fugiu em disparada, antes que os cães chegassem.

Muitas vezes, quem quer enganar acaba sendo enganado.

(Jean de La Fontaine)

Dois galos estavam disputando em feroz luta, o direito de comandar o galinheiro de uma chácara. Por fim, um põe o outro para correr e é o vencedor.

O Galo derrotado afastou-se e foi se recolher num canto sossegado do galinheiro.

O vencedor, voando até o alto de um muro, bateu as asas e exultante cantou com toda sua força.

Uma Águia que pairava ali perto, lançou-se sobre ele e com um golpe certeiro levou-o preso em suas poderosas garras.

O Galo derrotado saiu do seu canto, e daí em diante reinou absoluto livre de concorrência.

Moral da História:
O orgulho e a arrogância é o caminho mais curto para a ruína e o infortúnio.

Existe um problema!
É loucura dizer que sou eu.
Ou dizer que é você.
O problema é outro.
Não! Não é seu pai, nem...
O problema é outro.
Não é o cachorro ou o gato, nem...
O problema é outro.
Não é o carro velho, nem a chave errada...
O problema é outro.
Nem é dinheiro, nem consumo...
O problema é outro.
Não são as drogas, nem o roubo. Será?
O problema é outro?
Sim, é muito mais sério!
O problema meu amigo, é a ...
HIPOCRISIA!

Para os dias sem cor, guarda-chuva de flor. Para os dias sem ânimo, um café e um amor, por favor. Nos dias de tédio, uma surpresa. Para dias de dúvida, bem-me-quer, mal-me-quer. Para noites sem lua, estrelas no teto. Para dias sem sol, brilho no olhar. Para tudo na vida, ânimo.

Nos dias estressantes, keep calm e tome um chá. Nos dias corridos, não esqueça o sorriso. Para noites de insônia, carneirinhos fujões. Para guardar os sonhos, travesseiro de algodão. Para os dias solitários, um gato.

Para o café, leite. Para o morango, chantilly. Para o queijo, goiabada. Para o sofá, almofada. Para a TV, sono. Para minha vida, você. Para o beijo, a sua boca. Para o fim do filme, um happy end.

Um dos maiores males do ser humano é pensar que somos uns melhores que outros. Achar que por ter nascido em determinado lugar ou simplesmente não ter tido a felicidade de estudar, terá mais ou menos dignidade. O pior de tudo é pensar que muitas vezes um simples olhar, pode deixar claro o fato de julgar que o outro não tem nada para se orgulhar.

Reconhecer que cometemos erros, que possuímos fraquezas, medos e limitações deveria fazer parte do nosso instinto, ser totalmente intrínseco. Ter humildade, respeitar o diferente, chamado por muitos de virtude, era para ser como um reflexo, algo automático, que acontece até mesmo antes do pensamento.

É muito presunçoso achar que ser humilde é ter que se rebaixar, estar sempre submisso àquele que se sente superior. Tornamo-nos iguais a partir do momento que atestamos a nossa semelhança em sermos todos diferentes. A humildade deveria mesmo ser definida como qualquer pequeno ato de afeto com o diferente, seja ele alto, baixo, cachorro ou gato.