Na natureza encontro paz

Na natureza encontro paz

Na natureza encontro paz e belezas impossíveis de igualar!

Mensagens Relacionadas

Te encontro,
Na melodia da mais linda canção.
O vento sopra seu nome,
O frio traz a solidão.
Te encontro,
Não apenas em pensamentos,
Mas na combinação perfeita dos sonhos...
Sinto a presença de seu toque,
Como se a eternidade abençoasse simples momentos.
Te encontro,
Sem que meus passos te sigam.
Te encontro,
Sem planejar procuras.
Basta pensar em você,
Que navego com a saudade
Em busca do tempo em que éramos
O mesmo refúgio do amor...
Te encontro,
Nas simples palavras da poesia.
Te encontro,
Nas simples notas da canção.
Te encontro,
Nas noites turbulentas do coração,
Onde sem querer sou refém da saudade.
Como fugir,
Se em cada destino,
Te Encontro!!!

Há quem leia livros ou procure a fórmula certa. Há quem pense que existe um segredo e quem parta para longe em busca dela. Todos procuram a felicidade e estão dispostos a tudo para a conseguirem, mas se esquecem de como é simples alcançá-la, pois ela está presente bem dentro de cada um de nós.

Ser feliz é conhecer a essência daquilo que somos e saber alimentar as verdadeiras necessidades de nosso coração. Não é teoria, é pôr em prática a arte de viver plenamente o que a vida nos dá. E tudo acontecerá naturalmente, deixando em nós um sentimento de pleno bem-estar.

À nossa volta encontramos todos os dias pequenas coisas que nos alegram e que nos tocam profundamente. O importante é aprendermos a desfrutar disso por estarmos em constante interação com o mundo que nos rodeia. A felicidade não é algo impossível ou complicado se compreendermos a simplicidade que caracteriza nossa alma.

Caminhamos ao encontro do amor e do desejo. Não buscamos lições, nem a amarga filosofia que se exige da grandeza. Além do sol, dos beijos e dos perfumes selvagens, tudo o mais nos parece fútil. Quando a mim, não procuro estar sozinho nesse lugar. Muitas vezes estive aqui com aqueles que amava, e discernia em seus traços o claro sorriso que neles tomava a face do amor. Deixo a outros a ordem e a medida. Domina-me por completo a grande libertinagem da natureza e do mar.

(Albert Camus)

Como é lindo, Senhor, poder enxergar com estes olhos que me destes, poder sentir a natureza entrando pelos meus poros, me envolvendo e dizer:

Deus existe, olhai e vede a lua cheia ou minguante, o sol forte ou fraco, as árvores com suas folhas embaladas pelo vento, vento esse que nos refresca e embeleza ainda mais as coisas que movimenta. E as águas? Ah! as águas, tão frescas, tão poderosas e tão necessárias à vida.

Vida, resumo da natureza! Olhai e bendizei a natureza pois ela, irmãos, é muito mais importante do que tudo que estais acostumados a admirar e comprar...

Ao romper do dia, sentei-me na campina, travando conversa com a Natureza, enquanto o Homem ainda descansava sossegadamente nas dobras da sonolência. Deitei-me na relva verde e comecei a meditar sobre estas perguntas:

Será a Beleza Verdade? Será Verdade a Beleza?

E em meus pensamentos vi-me levado para longe da humanidade. Minha imaginação descerrou o véu de matéria que escondia meu íntimo. Minha alma expandiu-se e senti-me ligado à Natureza e a seus segredos. Meus ouvidos puseram-se atentos à linguagem de suas maravilhas.

Assim que me sentei e me entreguei profundamente à meditação, senti uma brisa perpassando através dos galhos das árvores e percebi um suspiro como o de um órfão perdido.

Por que te lamentas, brisa amorosa? perguntei.

E a brisa respondeu: Porque vim da cidade que se escalda sob o calor do sol, e os germes das pragas e contaminações agregaram-se às minhas vestes puras. Podes culpar-me por lamentar-me?

Mirei depois as faces de lágrimas coloridas das flores e ouvi seu terno lamento... E indaguei: Por que chorais, minhas flores maravilhosas?

Uma delas ergueu a cabeça graciosa e murmurou: Choramos porque o Homem virá e nos arrancará, e nos porá à venda nos mercados da cidade.

E outra flor acrescentou: À noite, quando estivermos murchas, ele nos atirará no monte de lixo. Choramos porque a mão cruel do Homem nos arranca de nossas moradas nativas.

Ouvi também um riacho lamentando-se como uma viúva que chorasse o filho morto, e o interroguei: Por que choras meu límpido riacho?

E o riacho retrucou: Porque sou compelido a ir à cidade, onde o Homem me despreza e me rejeita pelas bebidas fortes, e faz de mim carregador de seu lixo, polui minha pureza e transforma minha serventia em imundície.

Escutei, ainda, os pássaros soluçando e os interpelei: Por que chorais meus belos pássaros?

E um deles voou para perto, pousou na ponta de um ramo e justificou: Daqui a pouco, os filhos de Adão virão a este campo com suas armas destruidoras e desencadearão uma guerra contra nós, como se fôssemos seus inimigos mortais. Agora estamos nos despedindo uns dos outros, pois não sabemos quais de nós escaparão à fúria do Homem. A morte nos segue, aonde quer que vamos.

Então o sol já se levantava por trás dos picos da montanha e coloria os topos das árvores com auréolas douradas. Contemplei tão grande beleza e me perguntei:

Por que o homem deve destruir o que a Natureza construiu?


(Khalil Gibran)