Um Nó na Garganta

Um Nó na Garganta

Parece um nó na garganta, mas é saudade no coração. Sinto sua falta!

Mensagens Relacionadas

Diria repetidas vezes
Aquilo que sinto
Dentro do peito
Que pula até à garganta
Mas esbarra na distância!
Que separa nossa amizade
De se tornar mais forte
No dia a dia das nossas vidas
No olho-no-olho
No real
Mas não no imaginário
Dessa janelinha
Que se abriu.
Obrigada por sua amizade!

Bom dia, sábado! É hora de soltar o grito de alegria que ficou preso na garganta durante toda semana. Sábado é liberdade, é convívio, é curtição e eu quero aproveitar este dia até ao último segundo.

A vida passa depressa demais e o que guardamos dela são os bons momentos que passamos. Não tenha medo, nem fique preso ao passado. Abra as portas do seu coração e vá ser feliz.

O amor é uma cereja
daqueles repletas de
sabor que amaciam
a garganta e a vida
enchem de cor

Fosse morango ou a
papaia seu preferido
fruto e seria para mim
esse fruto o do amor
o seu preferido

Só me interessa amar
o seu amor seja ele o
morango ou a papaia
a laranja ou a maça
a cereja ou outra coisa

Você sabe que nunca esqueci nossa história, aliás, acho até que ela não está terminada. Precisamos conversar, jogar tudo que está preso na garganta e no coração em cima da mesa e olhar no rosto um do outro mais uma vez para descobrirmos se algo está ainda por resolver.

Eu não tenho dúvidas que sinto sua falta, que você é o melhor que me apareceu na vida, e estou na disposição de lutar por um regresso memorável. Eu ainda gosto de você! Beijo.

Passei a maioria da minha vida tentando não chorar na frente das pessoas que me amavam, por isso eu sabia o que Augustus estava fazendo. Apertamos os dentes. Olhamos para cima.

Dizemos a nós mesmos que se nos virem chorar isso as fará sofrer, e passaremos a ser apenas uma tristeza na vida dessas pessoas, e então não choramos, e estaremos dizendo tudo isto para nós mesmos enquanto olhamos o teto, mas aí engolimos a dor, apesar da nossa garganta não querer se fechar, olhamos a pessoa que nos ama e sorrimos.

John Green, A Culpa é das Estrelas