Mensagem de Egoísmo


Dê sempre o melhor, e o melhor virá!
Às vezes as pessoas são egocêntricas, ilógicas e insensatas. Perdoe-as assim mesmo. Se você é gentil, as pessoas podem acusá-lo de egoísta e interesseiro. Seja gentil assim mesmo.

Se você é um vencedor, terá alguns falsos amigos e alguns inimigos verdadeiros. Vença assim mesmo. Se você é honesto e franco, as pessoas podem enganá-lo. Seja honesto e franco assim mesmo.

O que você levou anos para construir, alguém pode destruir de uma hora
para outra. Construa assim mesmo. Se você tem paz e é feliz, as pessoas podem sentir inveja. Seja feliz assim mesmo.

O bem que você faz hoje pode ser esquecido amanhã. Faça o bem assim mesmo. Dê ao mundo o melhor de você, mas isso pode nunca ser o bastante. Dê o melhor de você assim mesmo. E veja que, no final das contas, é entre você e Deus. Nunca foi entre você e eles!

É você acordar e agradecer a Deus por existir e ter onde dormir. É desejar a seu próximo tudo o que gostaria que acontecesse com você. É fazer bondade sem querer receber outra em troca.

É amar a natureza e não querer destruí-la. É ter carinho pelos idosos, porque eles um dia te passaram toda a sabedoria. É não desejar o mal para as outras pessoas. É agradecer a Deus pelos amigos que você tem. É orar e pedir proteção e luz para sua familia e seus amigos.

É não ser egoísta, não ter rancor, porque não faz bem à saude e nem para sua energia. É você querer estudar, trabalhar, para um dia conseguir tudo o que plantou. É viver bem com todos, principalmente sua família. É sentir o calor, a chuva, o vento, o ar, o sol, a sintonia das estrelas e dos planetas.

Egoísmo dói, machuca. Mata! Todo egoísta joga fora toda oportunidade de faz o bem, de mostrar gratidão à vida e a tudo que ela lhe proporciona.

É algo mesquinho, ruim e está ao alcance de todo aquele que se presta para uma vida de singularidade sem sucesso. É preciso dar, oferecer o que é nosso; dizer “sim”, não ter medo de emprestar o que é só dele. Egoísmo é pecado, pecado quase capital!

Sei que fui insensível.
Eu quis comandar meus sentimentos,
quis ser forte, mas fui egoísta.
E hoje descobri que agi errado
E que as estrelas não brilham
da mesma maneira
que brilhavam ao seu lado.
Me perdoe! Pois assim meu sorriso
será novamente verdadeiro
e a dor que me envolve
será insignificante, pois você mata
a minha sede e alimenta a minha alma.
Meu coração é seu. Me perdoe!
Pois sei que fui egoísta.

Chegou a hora de aprendermos a ser egoístas, isso mesmo, isso não é papo de filha única não, mas de verdade aprendermos a fazer as coisas por nós mesmos.

O que acontece muitas vezes é que fazemos pelos outros, seja num relacionamento amoroso ou por amigos, fazemos o que gostaríamos que fizessem por nós, o que não está errado, mas quando fazemos isso por esse motivo, com certeza estamos esperando retorno, é aí que mora o perigo.

Quando eu digo ser egoísta, significa fazer apenas o que você quer fazer e não porque alguém pediu, porque alguém ficaria feliz, porque quando fazemos isso estamos fazendo de coração, sem esperar retorno algum.

O contrário, quando fazemos algo esperando a resposta ou reação de alguém, podemos nos frustrar, brigar, porque sempre esperamos uma resposta, e essa resposta deve sempre ser aquela que imaginávamos, caso contrário ficamos revoltados, ou pior, tempos depois ainda jogamos na cara de alguém que fizemos isso ou aquilo por essa pessoa.

Quando você aprende a ser egoísta saberá que tudo o que fizer será de coração e espontâneo, não digo que você não poderá abrir mão e ser flexível, claro que sim, mas mesmo assim faça isso por você mesmo e nunca por ninguém.

Quando passamos a pensar dessa maneira, as coisas ficam mais simples, não corremos riscos de esperar algo de ninguém a não ser que as pessoas sejam elas mesmas. Nem nunca ouvir depois de muito tempo que seu companheiro “fazia tudo por você”, que na verdade, ele nunca gostou de fazer isso ou aquilo, se formos honestos com nós mesmos aprendermos que todos os sentimentos e desejos devem sempre ser dosados, equilibrados, assim como o egoísmo, que o vemos apenas como um vilão na história. Apesar de o egoísmo, ao meu ver, ser o pior sentimento que alguém pode ter, neste caso acredito que ele seja apenas um mediador de seus outros sentimentos.

Sabendo fazer as coisas, satisfazer as pessoas de maneira que isso não agrida a você mesmo, é a melhor maneira de não agredir a quem está ao seu lado, porque você nunca cobrará a ninguém por isso e poderá sempre ser você mesmo, espontâneo e feliz. Não faça nada por mim, faça por você mesmo, e nós dois seremos felizes.

(Fernanda Klink)
(Moda Paralela)

Egoísmo é conceito que automaticamente faz despertar sentimento negativo, pois é conotado como algo ruim. Mas nem sempre egoísmo é mau, e pelo bem de cada um de nós um pouco de egoísmo é necessário.

Então não peça desculpa ou se anule pelo que os outros querem ou pensam. Primeiro está você, as suas vontades, os seus sonhos.

Esse é o egoísmo bom e necessário, pois se você não se puser em primeiro lugar na sua vida, os outros não o vão fazer! Seja você a sua prioridade na vida!

Gosto muito de você, minha irmã. Tudo que passamos juntas é sinal de irmandade, de amizade, de carinho sem limite. Acontece que seu egoísmo tem machucado muita gente! Todos temos defeitos, não existem pessoas perfeitas.

O problema é que sua soberba tem ido longe demais. Chega! Compartilhar é lindo, aliás, pouca coisa é tão interessante quanto oferecer, dar, entregar. Faça isso e pode ter certeza que seu mundo vai ficar deslumbrante.

Não vou mais pedir que demonstre seu carinho, nem que prove de alguma forma seu amor. Essas expressões de afeto devem ser dadas livremente, de forma espontânea e sobretudo de coração.

Quem implora por atenção da outra parte, acaba sentindo humilhação e isso jamais deveria acontecer em um relacionamento. Todos temos o dever de refletir sobre quem temos do nosso lado e deixar o egoísmo de parte para cuidar dos seus sentimentos.

O que é um dia maravilhoso se não tivermos alguém com quem compartilhar? O que são as nossas alegrias e aventuras sem ninguém para as compartilhar conosco? Compartilhar é bom, e isso é verdade para tudo.

No momento em que se descobrem as maravilhas de dar, dividir, compartilhar, uma alma se torna mais feliz e completa. O egoísmo em doses pequenas não fere ninguém, mas quando é demais ele acaba isolando a pessoa. Mas há sempre forma de lutar contra esse mal, e é compartilhando, ou ensinando a compartilhar.

Sentimentos bons sempre acabarão atraindo outros ainda melhores, e assim é com tudo. Se falta amor em sua vida, distribua amor e verá como ele retornará a você. A melhor forma de conseguir as coisas é dando sem cobrança, dando com sinceridade, e por isso o egoísmo é tão mau.

Pessoas felizes compartilham, dividem e espalham o bem, aquilo que muitas vezes lhes faltava, elas dão, e eventualmente acabam recebendo em dobro. Então dê e seja feliz!

Eu quero que seus valores e princípios sejam seu rosto, sejam sua marca pessoal. Eu quero que você entenda que o egoísmo, minha filha, é um dos sentimentos mais mesquinhos, mais fúteis e vazios que existem.

Viver é compartilhar, é dar e é receber. Não tenha medo de oferecer seu amor, seu carinho, sua verdadeira pessoa. Eu te amo, minha filha! Viva bem, e dê sem receios!

É engraçado como algumas pessoas desconhecem o significado da palavra educação. Educação vem de berço, a gente tem ou não tem. Não há dinheiro que compre. Não está diretamente relacionada à classe social ou econômica do indivíduo. Até existem alguns cursinhos de etiqueta, mas são completamente ineficazes quando a educação não veio acoplada ao cordão umbilical do sujeito.

Me espanta ver a grosseria de alguns e a falta de delicadeza de outros. Deve ser por isso que o mundo está desse jeito e as pessoas, por sua vez, não têm mais confiança umas nas outras. Estão descrentes. Cansadas. De saco cheio. É óbvio que alguns fatos nos deixam "p" da vida, com vontade de mandar alguém (ou todo mundo) para beeeeeeeeeeem longe. Mas, mesmo assim, ainda acho que é possível manter a postura e a elegância. Sem gritos, sem perder a pose. O diálogo, esclarecimento e a exposição do argumento são muito mais eficazes do que o grito e o berro. Quando surge uma elevação da voz já vira baixaria. Barraco feio. Um quer falar mais alto que o outro, gritar mais alto, aí o troço vira bagunça, baderna geral.

Uma das coisas que mais prezo é a educação, seguidas da gentileza e humildade. Saber conversar, assumir seus erros, ouvir, sustentar um ponto de vista (sem alterar o tom de voz). Existem seres que escutam, mas não ouvem. Tu falas e a pessoa já tem uma resposta programada pra te dar. Não raciocina, não analisa, não reflete. Apenas responde de imediato. Não sabem ouvir, não têm condições psicológicas e emocionais de constituir e estabelecer uma conversa saudável e inteligente.

Pra mim quem não sabe ouvir é burro e mal educado. Fora o povo que se dá um valor que ninguém deu. Eu explico: gente que se acha perseguida, vítima, que pensa que é sempre o centro das atenções do universo e de qualquer assunto. Se dão o valor que não têm. Se dão a importância que ninguém dá. Se acham demais e só olham para o próprio umbigo. Em suma, mal educados e egoístas. Gente podre e pobre. Pobre de neurônios e de espírito.

Mas quer saber o melhor de tudo? Acho que se educação fosse vendida em supermercado, dentro de uma caixa...sei não. Creio que muitos nem se dariam ao trabalho de colocar a mão no bolso e comprá-la.

Tapados demais pra isso. E o mais esquisito é que os mal educados não percebem e nem se sentem dessa forma. Já notaram?

(Clarissa Corrêa)

Meu querido, espero que você me perdoe e que leia esta cartinha até ao fim, pois tudo o que eu quero é lhe pedir desculpas, tudo o que eu quero é dizer que cometi um grande equívoco quando resolvi me afastar de você, e que este equívoco tem me feito chorar e sofrer demais.

Sei que a minha atitude não foi a mais correta, mas acredite que realmente eu estava equivocada, confusa e sem a certeza do que eu queria. Assim que nos afastamos percebi que, na verdade, só mesmo você seria capaz de me fazer feliz...

Por favor, não entenda este meu pedido de desculpas como mais uma atitude egoísta, como se neste momento eu estivesse pensando apenas em mim, porque se você tiver a nobreza de me perdoar vai descobrir que eu serei mesmo capaz de também fazê-lo muito feliz!

Sei que você deve estar chateado e entendo perfeitamente as suas razões. Sei a extensão do meu erro e já tentei me colocar em seu lugar, compreendo a circunstância triste e constrangedora em que, por um descuido imenso, por infantilidade ou insegurança, lhe coloquei.

Mas confio neste seu generoso coração, confio na pureza da sua alma e espero, sinceramente, que você me dê mais uma oportunidade, a derradeira oportunidade para que eu o faça sentir-se feliz e muito amado. Por favor, responda-me depressa, por carta ou telefone! Aceite um beijo cheio de amor e carregado das mais sinceras desculpas.

A solidão... Ela não tinha mais do que reclamar; possuía algo que era só seu, que ninguém iria jamais ter igual um dia... Tinha a solidão. E não era uma posse qualquer! Era especial por ser somente sua e ser tão ampla, tão interior, tão autoritária. Nunca a deixava sozinha; não! Era extremamente companheira.

Bastava estender o braço, e ela ali estaria. Para ser honesta, às vezes, a companheira se afastava um pouco; no entanto, era fácil reencontrá-la perto da cama, quando ficava olhando a montanha pela janela. Ela adorava esconder-se no quarto; assim, a menina tinha de ir até lá para ter sua companhia. Ia até ela, a fim de falar ou transmitir pensamentos à companheira. Ou mesmo para escrever para ela. Talvez porque sentisse sua falta... Talvez porque já estivesse acostumada à sua eterna presença.

O combinado, então, era este: ir ao quarto para procurá-la. Mas era importante ir sozinha. Se ligasse o rádio, em alto volume, e deixasse que o som penetrasse, aí já era tarde! A solidão amiga era, além de tudo, tímida! Nem aparecia; era inútil esperar. Não vinha, mesmo que a porta estivesse aberta. Não entrava mesmo e pronto!

Quase todas as tardes ou durante as noites, a menina esperava-a. Ela facilmente se aproximava; ouvia a amiga e fazia-lhe companhia. A menina, entretanto, ficava dividida, pois achava que deveria haver outro mundo... Talvez existissem outros amigos lá fora.

A solidão não gostou de saber desses pensamentos da menina. Queria que só a conhecesse; era realmente muito egoísta e egocêntrica a moça! Começou a se afastar, e a menina, desconhecedora de outro mundo, sentiu-se mais só. Por dias, a companheira fez greve e não apareceu no pequeno quarto. A menina, esperançosa, aguardou-a por muito tempo. Nada substituía a amiga. Como sentia sua falta!

Então, teve uma ideia e resolveu pegar a amiga de jeito. Esquematizou um plano. Imaginou-se outra e fantasiou acontecimentos bem reais. Levou o aparelho de som e a esperança para dentro do quarto. O sonho foi correndo atrás dela. A menina trancou a porta e escutou músicas por muitas horas.

Aí, de repente, a solidão - cabisbaixa - apareceu, mexendo na maçaneta. A menina já imaginava quem estava do outro lado da porta... E, ao abrir e rever a amiga antiga, ela sorriu. A solidão entrou e, em um gesto rápido, a garota apagou a porta do cômodo. Com agilidade, apertava e esfregava a borracha. Sumiu todinha!

A amiga não entendeu direito aquele gesto, pois enxergava a janela. De que adiantava prendê-la por uma e deixar a outra aberta? Mas a menina sorria; sabia que não poderia apagar a janela. Esta não! Aumentou o volume da música, continuou com sua imaginação real e levou suavemente a amiga à janela.

Mostrou-lhe a linda paisagem que as duas podiam contemplar dali. A janela ficaria ali, sempre aberta, para que, um dia, as duas pudessem alçar voo, como as gaivotas, juntas. Voariam juntas, com a mala recheada de amor, de esperança, de sonhos e de realizações. Iriam, pela primeira vez, voar realmente!

Perdoa-me por dizer o que não quero
Pelo desespero que ocupa meu ser
Por dizer palavras que ofendem alguém
Pelo modo como enxergo as coisas
Se falo demais o que não devo
Por acusar e querer ser tão certa
De apontar os defeitos alheios
Por procurar ser correta demais
Ou responder à altura aos outros
Pelos erros que eu cometer ou já fiz
Por amar com loucura como eu amo
Talvez por ser egoísta e honesta
Por procurar estar sempre do lado certo
Por receber tantas humilhações
E nunca ser baixo astral
Por guardar rancor se é errado
Por trazer no peito tanta mágoa
Por ser uma pessoa só
E não ter com quem desabafar
De desejar um verdadeiro amigo
Por procurar ser sensata
Por enganar a minha própria pessoa
Pela tristeza que me faz ser fria e dura
Pelo sorriso sem vontade
Por eu ser o que não sou
Quando disfarço um amargor
Pelo desatino da minha vida
Da injustiça na qual sou lançada
E levar tantos tapas na cara
Eu ter que sorrir e procurar esquecer
Por eu ser vaidosa
Quem sabe até calculista
Ao esconder coisas que não podia
Perdoa os meus erros e também as minhas virtudes
Perdoa por eu querer modificar o mundo
E desta feita também as pessoas
Perdoa por eu estar viva
E à procura de novos horizontes
Perdoa toda vez que eu descer na minha escalada
Perdoa-me por eu estar num mundo bom
Onde as pessoas não se entendem mais
Perdoa se tudo isso que eu tento arrumar
Me torna nojenta
E que isso não atrapalhe a vida daqueles que amo
Perdoa por meus olhos enxergarem
Além do que deviam
E sobretudo perdoa-me pelas muitas vezes
Que chego a duvidar da tua existência
Perdoa-me apesar de que,
Mesmo sabendo de tudo isto,
Eu me alegre por estar sendo
Iluminada com tua luz espiritual
A me envolver em teu amor supremo,
E estar vivendo o que vivo agora.
Tento tudo isso, na nítida esperança
De que um dia eu consiga de alguma maneira
Merecer o teu perdão!

Sr. Raul, homem probo, que sempre lutara contra uma enfermidade incurável, estava no quintal da sua casa em cidade litorânea, fazendo um buraco no solo a fim de plantar uma muda de mangueira, quando uma vizinha que o observava por cima do muro perguntou:

Sr. Raul, o senhor já está em idade avançada e não ignora que a enfermidade pode levá-lo a qualquer momento.

Assim sendo, sabe que não comerá mangas dessa mangueira. Por que tanto esforço em plantá-la?

Aquele homem simples pensou um instante, olhou para a vizinha e respondeu com sabedoria:

Até hoje como mangas que nunca plantei.

A resposta curta traz em si mesma grande conteúdo que vale a pena ser meditado.

Se todos agíssemos como o Sr. Raul, certamente o mundo teria outra feição em pouquíssimo tempo.

Quantas coisas nos beneficiam sem que tenhamos tomado parte nelas.

Quantas frutas saborosas temos comido sem que tenhamos plantado as árvores que as produzem.

Quanta sombra temos aproveitado de árvores frondosas que jamais plantamos.

Quantos acidentes são evitados porque alguém passa, percebe o buraco na estrada, e trata de sinalizá-lo para os que virão em seguida.

Quantos medicamentos aliviam nossas dores sem que sequer saibamos quem os elaborou.

Quantas atitudes louváveis de criaturas que pensam mais nos outros que em si mesmas.

Ghandi sabia que não desfrutaria de uma Índia livre do jugo da Inglaterra, mas lutou por libertá-la pensando nos seus irmãos.

Martin Luther King Junior sabia que seu sonho estava distante da realização, mas deu a vida para que suas ideias pudessem beneficiar brancos e negros.

Albert Schweitzer não pensou em si mesmo quando abandonou a vida de conforto e opulência para se embrenhar na selva africana e ajudar os nativos, desinteressadamente.

Madre Teresa de Calcutá não hesitou em abandonar a vida confortável do convento para auxiliar seus irmãos a sorver as gotas de sofrimento, em nome do amor.

Marie Curie foi vítima da radioatividade, mas contribuiu grandemente com a Humanidade nas pesquisas que empreendeu sobre o elemento rádio.

Em momento algum essas criaturas pensaram em si mesmas, mas tão somente no benefício que seu esforço poderia trazer para os demais.

Como Madame Curie, outros tantos cientistas passam anos enclausurados em seus laboratórios em busca de novas fórmulas para aliviar as dores da Humanidade inteira.

Agir dessa forma é agir com altruísmo. É não ser egoísta. É pensar no bem comum ao invés de pensar somente em si.

Quando todos nós pensarmos assim, estaremos preparados para contemplar um mundo melhor. Um mundo construído por todos e para todos, como verdadeiros irmãos.

A Justiça Divina conduz aos nossos lábios a taça que nós próprios envenenamos e igualmente leva aos nossos olhos as maravilhas que houvermos semeado em nossa estrada evolutiva.

Na esteira do progresso e através da reencarnação receberemos de conformidade com as nossas obras.